Você se sente cansado, desmotivado, cercado por pressões e sem saber que direção seguir? De fato, milhares de estudantes sofrem com tudo isso — mas outros milhares já encontraram uma solução perfeitamente acessível para você: as técnicas de memorização.

Muitos estudantes seguem algum plano de estudos, aprendendo técnicas que facilitam a assimilação e o aprendizado para obter sucesso, enquanto outros se perdem no velho método de tentativa e erro. Então, para ajudar você, trouxemos 8 técnicas simples — embora eficazes — de memorização.

Veremos a seguir algumas dicas e hábitos capazes de mudar sua rotina de estudos e indicar o caminho do sucesso. Confira!

Técnicas de memorização

treino da memória está acessível a todos, desde que se dediquem um pouco, dia a dia. Bastando investimento de tempo e dedicação, todos reunimos condições de aumentar a capacidade do cérebro por meio de exercícios simples e eficientes. Assim, aumentar a capacidade de fixação do conteúdo e aprendizagem. Veja!

1. Sair do “piloto automático”

Esse é um dos exercícios mais simples e eficientes. Basta fazer as mesmas coisas que você costuma fazer, só que de uma maneira diferente: adote outro caminho para o trabalho ou faculdade, utilize outro meio de transporte (se você se desloca de carro, vá de metrô ou de ônibus, por exemplo) etc.

Em trechos curtos, caminhe e observe tudo o que encontrar. Chegando ao destino, tente se lembrar das coisas que viu. Para avançar mais no exercício, tente se lembrar das coisas na ordem inversa. Assim, além de exercitar a sua memória e uma atenção ativa, você se divertirá.

Não é preciso iniciar com mudanças radicais. Basta alterar alguns detalhes do seu cotidiano para conseguir perceber as coisas a partir de outros pontos de vista. Tenha em mente que todo conhecimento que se torna automático tende a se desvincular dos seus reais motivos — os argumentos que levam você a tomar uma decisão.

2. Treino da concentração

O foco é uma habilidade valiosa para quem mantém uma rotina de estudos. Sem ele, tudo se torna mais complicado e demorado, abrindo espaço para a temida procrastinação. Algumas técnicas são precisas no momento de potencializar essa habilidade, como a seguinte:

Coloque um objeto de 5 centímetros de diâmetro a 3 metros de distância. Concentre-se nele por 3 minutos, sem pensar em mais nada. Se você desviar o foco do objeto pensando em outra coisa ou se ocorrer desvio da atenção, comece novamente até cumprir o tempo. Repita esse exercício, pelo menos, uma vez por dia. Ele aumentará sua capacidade de concentrar em uma imagem ou assunto, evitando dispersões.

3. Autoexplicação

Você já começou uma leitura e teve que retornar ao início para assimilar o conteúdo? É evidente que ler novamente o trecho ou parágrafo pode melhorar a compreensão do assunto, mas isso pode levar tempo quando se trata de textos grandes. Em vez de ler duas ou três vezes a mesma parte, você pode lê-la uma primeira vez com muita atenção e sem pressa. Em seguida, desvie o olhar do texto, se questione sobre o que você acabou de ler e comece a falar sobre a leitura.

Imagine que você precisa explicar o texto lido para uma criança de 10 anos. Ou seja, a tarefa é deixar a sua explicação mais simples possível ao ponto de uma criança conseguir compreendê-la. Quanto mais você se esforça para tornar a explicação simples, mais você absorverá o assunto.

4. Fichamento

Entre as técnicas de memorização é importante saber que: fichar um texto é diferente de resumi-lo. Ao resumir um texto, você tem o objetivo de criar uma versão “menor” do original, uma versão mais condensada com as informações mais úteis. Já ao fichar um texto, você estará criando uma série de tópicos com frases objetivas sobre o assunto.

Nesses tópicos, os termos usados devem funcionar como gatilhos mentais: palavras-chave que permitem associar as ideias do fichamento ao conteúdo como um todo. Caso queira personalizar o seu fichamento e deixá-lo mais rico, você pode fazer um mapa mental com os tópicos. Basta adicionar cores, figuras ou/e simples desenhos para fazer relação com as ideias, deixando-as mais didáticas.

5. Memória inversa

Antes de dormir, refaça mentalmente o seu caminho de volta para casa — onde passou, pessoas, lugares ou coisas que viu —, tentando se lembrar do máximo de detalhes. Em menor proporção, lembre-se de sua chegada em casa e repita o mesmo exercício. Também vale praticar depois de chegar ao trabalho ou à faculdade.

Esse exercício aguça sua memória recente, ativando o hipocampo, responsável por produzir novos neurônios e conexões. Essa parte do cérebro é estimulada por emoções e pensamentos, sem limites para expansão de sua atuação e armazenamento de informações.

Você pode fazer o mesmo procedimento com os assuntos estudados no dia. A partir da conclusão de um cálculo ou desfecho de um acontecimento histórico, por exemplo, quais foram as etapas para se chegar até o resultado? Realizando o caminho inverso, você estará potencializando o seu cérebro e fixando os assuntos.

6. Acrônimos

A seguinte palavra é um acrônimo: ANATEL. Ela é formada pela junção de letras iniciais e sílabas dos termos: Agência Nacional de Telecomunicação. O objetivo dos acrônimos é tornar um conjunto de palavras mais fácil de fixar na mente. No caso exemplificado é bem mais fácil se lembrar do acrônimo, não é? É por isso que essa é uma das técnicas de memorização mais simples e poderosa para ser aplicada na rotina de estudos. Você pode usá-la para fixar uma série de leis, princípios de uma área etc.

7. Flashcards

Por fim, essa técnica é mais clássica e consiste em utilizar fichas para estudo. Ela pode ser aplicada, inclusive, para estudar frases e vocábulos estrangeiros, termos técnicos de anatomia, fórmulas matemáticas, física etc. Em um lado da ficha, você escreve a pergunta e, no verso, a resposta. Depois, leia a pergunta e tente respondê-la corretamente.

Funciona como um jogo. Separe 3 caixas para armazenar as fichas. Na caixa 1, armazene as questões com maior grau de dificuldade para você. Na caixa 2, coloque as questões que você precisa pensar um pouco até chegar à resposta. As questões que você acertar sempre coloque na caixa 3.

Procure revisar a caixa 1 todos os dias, a caixa 2 a cada três dias e a caixa 3 a cada cinco dias. Com o passar dos estudos, você perceberá que as perguntas das caixas 1 e 2 ficarão mais fáceis. Quando isso começar a acontecer, redirecione as perguntas às caixas, considerando o grau de dificuldade. O objetivo é fazer com que todas as perguntas estejam na caixa 3. Assim, você estará certo de que toda a matéria foi assimilada.

8. Revisão semanal

Todas as técnicas para facilitar a fixação dos conteúdos não podem deixar de serem acompanhadas de revisões semanais. É dessa forma que os assuntos estudados na semana estarão sempre frescos na sua memória. No entanto, voltar aos textos originais pode não ser eficaz, já que demanda um tempo maior de estudo. Por isso, destacamos a importância de fazer bons fichamentos.

Separe um dia da semana para fazer a revisão. Recomendamos que esse dia seja o sábado. Assim, você fica com os cinco dias úteis para apenas absorver conhecimento. Durante essa prática, procure se ater aos resumos e fichamentos dos assuntos, pois ali está o que mais importa do “material bruto”, já esgotado durante a semana. Dessa forma você se dedica em relembrar as partes mais difíceis e importantes em vez de reler todo o conteúdo.

Dicas e hábitos de estudo

Para melhorar seus estudos, também é preciso organização e disciplina. Algumas técnicas favorecem o desenvolvimento dessas habilidades, facilitando as atividades do seu dia a dia. Confira algumas dicas que separamos para você conseguir atribuí-las à sua rotina de aprendizagem.

Prepare o ambiente de estudo

Como dissemos, estudar requer disciplina e concentração. Você não precisa se isolar de tudo e de todos. Mas também não dá para estudar com a televisão e o celular ligados, certo? Então, defina um lugar com boa iluminação, organizado e sem barulhos ou dispersões. Dispersão é sinônimo de desconcentração, com resultados conhecidos. Lembra-se do exercício para melhorar a concentração? Quanto menos dispersões tiver, mais fácil concentrar e aprender.

Cuide da sua alimentação

A carência de determinadas vitaminas pode prejudica a memorização e a concentração. Por outro lado, uma alimentação equilibrada prepara a sua mente para absorver informações, processá-las e transformá-las em conhecimento. Você não deseja adquirir conhecimento para obter êxito nos estudos? Então, veja abaixo uma lista de alimentos com as vitaminas responsáveis por revitalizar sua mente e corpo:

  • frutas em geral: vitaminas C, B6;
  • nozes: vitaminas B6, E, Ômega 3;
  • espinafre e verduras de folha: vitaminas B6, E;
  • sardinha: vitamina B12, Ômega 3;
  • ovos: vitaminas B12, A, D, E, K;
  • salmão: vitamina B12, Ômega 3, Ômega 6;
  • feijão e fígado: ácido fólico e ferro.

Pratique exercícios físicos

Exercitar o corpo deixará sua mente saudável e disposta. A prática de caminhadas, corridas e musculação são bem-vindas em uma rotina. Exercícios estimulam a circulação sanguínea, proporcionando melhor oxigenação ao cérebro e alimentando suas células o suficiente para produzir e operar em capacidade máxima! Além disso, outro benefício é o controle do estresse, da pressão arterial e da ansiedade, fatores prejudiciais à concentração e aprendizado.

Exercite a sua mente

De fato, os exercícios fortalecem a mente e a deixam saudável. E um corpo controlado por uma mente sadia terá disposição e capacidade de estudos acima da média. Caso contrário, um corpo controlado por uma mente cansada e fraca refletirá esse comportamento. Então, como exercitar a mente?

  • xadrez: o jogo de xadrez melhora sua avaliação de probabilidades e a concentração. Também estimula o desenvolvimento de estratégias para atingir um objetivo, melhorando sua capacidade de planejamento;
  • jogo dos erros: simples, mas eficaz. Com o senso crítico apurado, você encontrará erros aparentemente mínimos, mas que, em uma equação, podem prejudicar o resultado e comprometer seus objetivos;
  • palavras-cruzadas: esse passatempo fortalecerá sua memória, pois, ao procurar sinônimos para palavras não utilizadas diariamente, sua capacidade de busca se expandirá;
  • quebra-cabeças: esses jogos fortalecem a memória visual, excelente ferramenta mnemônica. Aprendemos muito por meio da visualização, e exercitar a memória visual deixará sua mente “afiada” para executar técnicas de memorização e aprendizado;
  • jogos de sequência: alguns jogos online mostram sequências de imagens e cores, e o jogador deve marcar a imagem que deveria vir a seguir, e as sequências vão ficando mais longas à medida que o nível de dificuldade aumenta. Com apelo visual, esse jogo estimula a memória recente, facilitando a assimilação de conteúdo.

Abuse dos simulados

Quando erramos, temos a oportunidade de aprender definitivamente. Afinal, é bem mais fácil se lembrar das questões que erramos do que das que acertamos, não é? Então, faça simulados — abuse deles. Faça quantos puder, mesmo repetidos. Outra vantagem de praticar é que, no dia das provas, sua ansiedade diminuirá, aumentando sua concentração e propiciando um ambiente favorável para você se lembrar do que estudou.

Neste artigo, você conheceu algumas técnicas de memorização, além de dicas e hábitos que favorecem os seus estudos, certo? Agora, basta fazer um planejamento da sua rotina e começar a colocar em prática as informações apresentadas aqui. Se for necessário, anote o que você achou mais relevante e comece hoje mesmo!

Gostou do conteúdo? Compartilhe este post nas redes sociais e ajude seus amigos a obterem melhores resultados nos estudos!