Os concursos abrangem desde áreas administrativas, fiscais e bancárias até tribunais e policiais. Uma diversidade de vagas muito requisitadas por profissionais e estudantes, seja por consequências como estabilidade e oportunidades ao conseguir o cargo, seja pela familiaridade e sonho do concurseiro.

Dentro desse fato, mais uma coisa é certa: independentemente da área, as provas são concorridas e exigem preparo antes do concurso. Porém, muitas pessoas possuem dificuldade em manter uma rotina de estudos, se organizar e descobrir o melhor método de aprendizado, ignorando ótimas soluções como o plano de estudos e realizando a prova sem segurança total.

O plano de estudos é uma alternativa que oferece ótimos resultados na hora da avaliação e no decorrer do aprendizado. Para te ajudar a entender o método e como aderi-lo, separamos algumas informações que podem ajudar. Continue lendo e confira!

O que é o plano de estudos?

O plano de estudos é uma maneira de organizar as matérias, o tempo de estudo, as formas e as técnicas adequadas com a rotina. É como um guia até o dia da prova, com objetivo de auxiliar o estudante a completar metas de forma planejada, sem postergação e com melhor rendimento.

Afinal, para o dia do concurso há necessidade de grande foco e preparo anterior, considerando as exigências de cada teste, o horário para realizar a prova e a quantidade de questões, uma exigência difícil de conciliar com o dia a dia corrido, rotina de trabalho e uma série de compromissos recorrentes.

Como montar o plano ideal?

O plano de estudos é simples e, se seguido corretamente, rende ótimos resultados. Para isso, há alguns pontos que são recomendados, compondo uma ordem de etapas que podem ser divididas em:

1. Organize a rotina

O primeiro passo é começar definindo e entendendo a rotina. Para isso, monte uma planilha ou estruture algumas tabelas com a programação semanal, incluindo todos os horários do dia.

Considere, por exemplo, que das 8 horas da manhã até às 17 horas da tarde o tempo é direcionado para o trabalho, que é preciso 1 hora de trajeto até o lar e, a partir das 18 horas, é possível dividir melhor os horários restantes.

O importante é escrever todos os períodos fixos da semana para entender quanto tempo disponível pode ser direcionado aos estudos. Montar uma planilha ajuda na visualização e organização, evitando se comprometer com mais tarefas do que o necessário ou não aproveitar 100% os dias.

2. Defina os horários de estudo

Depois de organizar os períodos fixos, é hora de encaixar os estudos no dia a dia. Para isso, é só visualizar os momentos disponíveis, separar as matérias e testar algumas divisões.

Um ponto importante é considerar a quantidade de estudos necessária para cada matéria e nível de complexidade. Se há maior dificuldade com linguagens, por exemplo, é bom que haja maior direcionamento do tempo para esse seguimento, enquanto áreas mais fáceis não precisam de tanto foco semanal.

É importante lembrar que cada pessoa possui níveis de dificuldade diferentes, então o plano de estudos deve ser definido a partir da proporcionalidade entre: maior dificuldade na matéria x = maior tempo de dedicação. Porém, o ideal é estudar tudo e programar para não postergar nenhum assunto.

Além disso, atividades extras e complementares também podem ajudar na preparação e complementar o plano de estudos. Cursos online, por exemplo, tendem a oferecer um bom material para equilibrar teoria e prática, além de videoaulas explicativas. Filmes que tratam do assunto estudado dão um “up” no aprendizado sem sobrecarregar o estudante, uma ótima oportunidade entre horas de estudo.

O importante é achar a melhor forma de se programar, adequar os métodos utilizados e aproveitar ao máximo as oportunidade antes do dia de teste!

3. Encontre os melhores métodos

Para que o plano de estudo dê certo, além das divisões, é necessário ter comprometimento pessoal. Muitas pessoas possuem tendência para postergar ou estudar apenas matérias que gostam. Porém, é preciso lembrar que na prova haverá uma diversidade de questões que podem fazer diferença na contagem de pontos.

Além de esforço, há alguns métodos que o estudante pode testar em conjunto com o estudo padrão, como:

Autoexplicação

Consiste no estudo regular da matéria, entendimento dos conceitos, formas de uso, e, depois, explicação individual para si mesmo. A autoexplicação pode ser tanto em voz alta quanto silenciosamente, o importante é que seja feito uma espécie de resumo mental e sem anotações, garantindo que o conteúdo foi absorvido e, com isso, possibilitou uma explicação total por parte do aluno.

Questionamento para o texto

No momento de leitura, é possível realizar uma leitura corrida ou pausada. Para maior aproveitamento, é recomendável terminar de ler os trechos do material e questionar o conteúdo com perguntas complementares.

Com isso, é possível identificar se a resposta já está no texto ou se o estudante ainda não sabe. Assim, é uma grande oportunidade para pesquisar informações novas e sair da zona de conforto.

Testes práticos

Além da teoria, os testes práticos são indispensáveis para um estudo de qualidade. Muitas vezes há entendimento da teoria e conceito, porém, sem direcionamento adequado para a aplicação prática.

Uma dica é fazer exercícios regulares, revisar e entender o erro em conjunto com a teoria, além de pesquisar simulados passados e refazê-los ou procurar exercícios extras.

Os métodos não precisam ser iguais em todos os planos de estudo, o ideal é que o estudante teste algumas opções, defina o melhor equilíbrio entre algumas maneiras e aproveite a vantagem de cada uma.

Além disso, é preciso atualizar o plano de estudos semanal ou mensalmente, considerando que há imprevistos ou mesmo eventuais adaptações que podem mudar o planejamento. A atualização evita que assuntos sejam deixados de lado e permaneçam atrasados.

Quais as vantagens finais?

Com o plano de estudos definido e em andamento, as vantagens que podem ser previstas são:

Aderência dos assuntos

Com a variedade de matérias distribuídas pela semana, é comum que, ao final de alguns meses, a retenção de informações seja grande, principalmente com formas de estudo que tiram o aluno da zona de conforto.

Tempo de aproveitamento

Com a visualização dos períodos livres, é mais fácil se planejar e não deixar as coisas para última hora. O tempo disponível tende a ser melhor aproveitado e distribuído, ajudando a estudar tanto os temas obrigatórios quanto assuntos complementares relevantes para o dia da prova.

Ótimo preparo final

Com o plano de estudos adequado para o dia a dia do estudante, etapas cumpridas, métodos de aprendizado realmente otimizados e muito treino para o dia da prova, o resultado positivo é consequência, gerando um ótimo preparo para o teste.

O plano de estudos é cada vez mais utilizado, adaptado e aderido na rotina do estudante, ajudando tanto em concursos quanto em provas escolares, de bolsas, para vagas de emprego e oportunidades de carreira.

O preparo é a chave para que o objetivo de conseguir determinada vaga seja alcançado, fazendo com que o plano de estudos seja uma ferramenta indispensável nesse processo.

Gostou de saber mais sobre o plano de estudos? Quer compartilhar ideias ou perguntas sobre o artigo? Então, deixe o seu comentário e diga a sua opinião!