O Tribunal Regional Federal 5º Região que abrange Seções Judiciárias nos estados de Pernambuco, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Alagoas e Sergipe terá validade do concurso expirada ainda este ano.

A expectativa é de que o TRF 5 elabore um novo edital ainda em 2017, com oportunidades para Técnico Judiciário nível médio  e Analista Judiciário nível superior, em qualquer área de graduação. Pois, o prazo de validade do último concurso termina em março de 2017. Apesar disso, o novo concurso TRF 5 já está previsto no Projeto de Lei Orçamentária Anual de 2017 (PLOA/17) e temos grandes chances de nos deparar novamente com a mesma banca organizadora, Fundação Carlos Chagas.

O pré-requisito exigido para concorrer a vaga de Analista Judiciário – Área Administrativa  é de que o candidato apresente Diploma ou Certificado de Curso Superior de Graduação em qualquer área, reconhecida pelo Ministério de Educação.  Já para Técnico Judiciário – Área Administrativa o certame exige que o candidato comprove a conclusão do Ensino Médio (2º grau).

 O salário inicial para o cargo de Analista é de R$ 6.551,52. Já para Técnico Judiciário, a remuneração inicial oferecida em 2012 foi R$ 3.993,09.

As provas foram compostas por questões de múltipla escolha sendo 20 de questões de Conhecimentos Gerais, sendo Português e Atos Normativos e 40 Conhecimentos Específicos: Noções de Administração, Noções de Administração Pública Noções de Administração Financeira e Orçamentária e Noções de Gestão de Pessoas. Além da prova discursiva para o cargo de analista judiciário.  

 Já para técnico judiciário foram 20 questões de Conhecimentos Gerais sendo, Português e Atos Normativos e 30 questões de Conhecimentos Específicos: Noções de Administração, Noções de Direito Constitucional, Noções de Direito Administrativo, Noções de Administração Financeira e Orçamentária e Noções de Gestão de Pessoas.

Descrição das atribuições aos cargos

Analista judiciário – Área judiciária: Realizar atividades de nível superior a fim de fornecer suporte técnico e administrativo, favorecendo o exercício da função judicante pelos magistrados e/ou órgãos julgadores. Compreende o processamento de feitos, a elaboração de pareceres, certidões e relatórios estatísticos e a análise e pesquisa de legislação, doutrina e jurisprudência. Envolve a indexação de documentos e o atendimento às partes, dentre outras atividades de mesma natureza e grau de complexidade.

 Técnico Judiciário – Área Administrativa: Realizar atividades de nível intermediário a fim de fornecer auxílio técnico e administrativo aos magistrados e/ou órgãos julgadores, favorecendo o exercício da função judicante e o exercício das funções necessárias ao adequado funcionamento da organização. Compreende a redação de minutas, o levantamento de dados para elaboração de relatórios estatísticos, planos, programas, projetos para a instrução de processos, a pesquisa de legislação, doutrina e jurisprudência, a emissão de pareceres, relatórios técnicos, certidões, declarações e informações em processos. Envolve a distribuição e controle de materiais de consumo e permanente, a elaboração e conferência de cálculos diversos, a digitação, revisão, reprodução, expedição e arquivamento de documentos e correspondências, a prestação de informações gerais ao público, bem como a manutenção e consulta a bancos de dados e outras atividades de mesma natureza e grau de complexidade.

 

VOCÊ GANHOU!

Você acaba de ganhar um cupom desconto para qualquer curso. Clique aqui, escolha o seu curso e quando for finalizar a compra, basta inserir o cupom –> descontofocus no carrinho para ganhar. Aproveita que é um MEGA DESCONTO! 

Por: Suzana Oliveira

 

 

 

 

 

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                   Por: Suzana Oliveira